Polícia investiga se garoto foi vendido por R$5 mil.

Santa Catarina. Duas pessoas suspeitas de terem permanecido com um menino de 8 anos por cerca de um mês em Balneário Piçarras, no Litoral Norte catarinense, confirmaram que vão se apresentar voluntariamente às Polícia Civil nos próximos dias, informou o delegado Wilson Masson nesta sexta-feira (18). A polícia apura a veracidade de uma carta com a informação de que o menino teria sido "comprado" por R$ 5 mil por alguém que queria protegê-lo da própria família, como informou o portal de notícias da Globo (G1).

De acordo com a reportagem, a criança, que sumiu no dia 14 de agosto na porta de uma escola e foi deixa às margens da BR-101 na quarta-feira (16), revelou com quem esteve nas últimas semanas. 

"São duas pessoas ligadas à tia-avó da criança, que era guardiã dela. O menino desapareceu uma semana após a tia-avó receber a guarda definitiva. Por isso trabalhamos com a possibilidade de que houve algum trato, algum tipo de ajuste prévio", disse o delegado Wilson Masson.


Carta cita valor de R$ 5 mil

Quando o menino foi encontrado, na noite de quarta (16), ele estava com um bilhete escrito a mão: "Chama a polícia". A Polícia divulgou nesta sexta-feira que também havia uma carta, onde estava escrito que o menino foi negociado por R$ 5 mil. 

No documento, estava escrito que a pessoa teria levado a criança para "salvá-la" do meio onde ela vivia. De acordo com o delegado, a veracidade do documento ainda será analisada, mas há fortes indícios que houve a negociação. 

"Há a possibilidade de que a pessoa que estava com a criança ter se assustado com a proporção que o caso tomou, por isso devolveu o menino", disse Masson. Na carta, a tia-avó é mencionada como a pessoa que teria vendido a criança.  Leia a reportagem na íntegra no portal de notícias da Globo.


Fonte: G1

Comentários

Motorista usa manequim para enganar polícia e acaba no tribunal.