Arena Condá recebe os heróis da Chapecoense. #ForçaChape

Gilmar Mendes defende atualização da Lei de Abuso de Autoridade.

domingo, 15 de novembro de 2015

Rosinha Garotinho está impedida de usar antecipação dos royalties para dívidas.


Campos dos Goytacazes (RJ) - O juiz Rodrigo Pinheiro Rebouças, da 5ª Vara Cível de Campos proíbiu, em decisão na última sexta-feira (13), a prefeita Rosinha Garotinho, de utilizar a eventual antecipação dos royalties do petróleo em despesas correntes do município, salvo as de Previdência Social. Segundo informações do portal de notícias da Globo (G1), a decisão acolheu parcialmente pedido de liminar em ação popular ajuizada por um grupo de cinco vereadores da cidade. 

De acordo com a assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, os autores da ação pretendem que o município seja impedido de contratar empréstimos com fundamento na resolução 43/2001 do senado federal, em especial a emissão de títulos públicos no mercado internacional. Eles defendem ainda a impossibilidade de utilização dos créditos oriundos de eventual operação de adiantamento das receitas dos royalties com pagamento de servidores e de dívidas.

Em sua decisão, o juiz não impede que o município realize a operação de crédito. Mas "a utilização da verba decorrente da 'antecipação dos royalties' não poderá ser utilizada em dotações orçamentárias para a manutenção de serviços anteriormente criados, inclusive as destinadas a atender a obras de conservação e adaptação de bens imóveis; em dotações orçamentárias para despesas às quais não corresponda contraprestação direta em bens ou serviços, inclusive para contribuições e subvenções destinadas a atender à manifestação de outras entidades de direito público ou privado".

Ainda segundo a liminar, caso a operação tenha por objetivo ceder direitos relativos a período posterior ao do mandato da atual chefe do poder executivo, o numerário arrecadado poderá ser utilizado exclusivamente para capitalização de fundos de previdência ou para amortização extraordinária de dívidas com a união.

Em ambas as hipóteses, o numerário arrecadado não poderá compor a receita corrente líquida do ente municipal, a qual serve de base de cálculo para os percentuais previstos no artigo 19 da lei de responsabilidade fiscal, referentes ao limite para aplicação de receita para gasto com pessoal. 

[ Fonte: G1 ]

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Recomendados para você.