Vídeo de Bolsonaro contra Jean Wyllys é falso, diz polícia.

STF mantém Renan Calheiros na presidência do Senado.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Técnica em enfermagem acusa hospital de negligência e morre três dias depois.


"Eu não quero morrer. Para morrer, eu prefiro morrer em casa". O desabafo, feito no WhatsApp, é da técnica em enfermagem do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, Elizangela Medeiros, de 35 anos, que morreu três dias depois da gravação, na última segunda-feira. Segundo funcionários e amigos com quem ela trabalhava na unidade hospitalar, Elizangela gravou o áudio minutos após deixar o hospital, onde foi atendida sexta-feira passada, e mandada para casa, apesar das dores no peito e da falta de ar. Ela morreu na segunda-feira, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Edson Passos, em Mesquita, onde chegou com os mesmo sintomas.

Com um tom de voz aparentando muito cansaço, Elizangela contou na gravação o drama que viveu no hospital. No áudio, com quase dois minutos, ela reclama do atendimento. "Quando eu cheguei pela manhã, o doutor Sebastião me fez (aplicou) um Diazepam e disse que eu estava com uma crise nervosa e eu estava dispneica, cansada, pálida, sem conseguir falar... Foi como se eu não tivesse nada, fosse frescura... E pra ficar internada para esses médicos fazerem pouco caso, me tratar como um lixo... eu trato os pacientes como prioridade", disse ela.

Revoltados, os funcionários fizeram, na manhã desta quarta-feira, um protesto em frente ao hospital. Segundo eles, ela foi atendida pelo clínico de plantão na sexta-feira, identificado apenas como Sebastião. "Ela estava passando muito mal, mas o médico disse que ela estava tendo um piti, que ela não tinha nada, a mandou para casa e ela morreu sentada numa cadeira da UPA esperando atendimento. Isso é um absurdo. Queremos uma resposta, caso contrário vamos parar de trabalhar", disse um funcionário, que não quis se identificar temendo represálias. "Trabalhei com ela por anos, era uma grande amiga, profissional dedicada", contou ele.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde informou que Elizangela recebeu atendimento. Segundo a nota da assessoria, exames constataram pressão arterial levemente alta e taquicardia discreta. De acordo com assessoria, ela ficou em observação até às 15h30 quando apresentou quadro estável e recebeu alta médica.

Porém, a direção do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN) está apurando se houve algum desvio de conduta por partes dos profissionais que a atenderam. Ainda de acordo com a assessoria, caso as denúncias sejam comprovadas, serão aplicadas as punições cabíveis. Sobre o atendimento na UPA, a assessoria informou que Elizangela já chegou à unidade em parada cardíaca e que foram feitas manobras de ressuscitação, mas que ela não resistiu.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.