Vídeo de Bolsonaro contra Jean Wyllys é falso, diz polícia.

STF mantém Renan Calheiros na presidência do Senado.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Após sobreviver a 6 picadas de cobra, cientista promete antídoto 'popular'.


Saúde » Com objetivo de solucionar um problema de saúde pública, após sobreviver a seis picadas de cobra, cientista promete antídoto 'popular'.  Segundo uma reportagem da BBC, cerca de 4 mil pessoas são picadas por cobras todos os anos na Papua Nova Guiné, mas o governo do país nunca conseguiu comprar antídotos em quantidade suficiente para atender todas as vítimas, porque estes são caros e fabricados no exterior. Cada dose pode custar o equivalente a R$ 7.600. Agora, o pesquisador australiano David Williams diz ter encontrado uma maneira de produzir um antídoto eficiente e barato que poderia ajudar a resolver esse problema.

Williams, que trabalha na Universidade de Melbourne, na Austrália, já chegou a ser mordido por cobras seis vezes. "A (picada) mais recente - e espero que seja a última - aconteceu há oito anos, na Papua Nova Guiné", contou ao programa Outlook, da BBC. O pesquisador australiano ficou uma semana no hospital. E sem o antídoto, não teria sobrevivido. A cobra que atacou Williams era uma Taipan da Papua Nova Guiné, cujo nome científico é Oxyuranus scutellatus canni. Pertencente a mesma família das temidas cobras coral e naja, a Taipan é tida como a terceira mais venenosa do mundo.

Siga o M.V no Twitter e no Facebook 

O pesquisador australiano decidiu tentar encontrar uma solução eficaz para a escassez de antídotos no país enquanto fazia pesquisas sobre os efeitos clínicos de picadas de cobra em um hospital em Port Moresby, a capital de Papua Nova Guiné. A solução foi encontrada na Costa Rica, onde um laboratório sem fins lucrativos concordou em fazer uma parceria com Williams e sua equipe. O especialista também disse que, em suas pesquisas para desenvolver o antídoto para o veneno da Taipan, contou com a assistência de cientistas do Instituto Butantã e da Universidade de Campinas (Unicamp). A reportagem na íntegra pode ser lida no site da BBC Brasil.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.