Cena do filme O Último Tango em Paris repercute na web.

Netflix anuncia 2ª temporada de Luke Cage

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Assessor de Picciani é assassinado dentro de casa.


Rio - Um funcionário do presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) foi assassinado dentro de casa no final da tarde de terça-feira, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A vítima, José Hildo da Silva Marques, estava com a esposa, a enteada e o filho dela, quando, por volta das 17h30, quatro homens com a camisa da Polícia Civil chegaram ao local perguntando sobre um determinado dinheiro. Depois, ele foi levado para fora da residência e foi executado, de acordo com informações do jornal O Dia.

Os criminosos deixaram o local levando uma motocicleta e um pássaro da espécie trinca-ferro. José Hildo iria completar 47 anos na quinta-feira. "Ele estava no quintal da casa recolhendo as gaiolas dos dois passarinhos trinca-ferro. Cada um desses é avaliado em 3 a 4 mil reais. Levaram a moto e o dinheiro que estava no bolso", diz o eletricista Jadir da Silva Marques, 49 anos, irmão da vítima.

Jadir disse acreditar que o assassinato de José Hildo, que tinha dois filhos de outro casamento, não teve motivação política. "Todo mundo sabe que ali é área de milícia. Porém, descartamos que tenha sido atentado político. Acreditamos em latrocínio. É mais um caso que vai ficar impune", afirma.

Uma testemunha que não quis se identificar, relatou como foi a ação dos criminosos. "Vi dois homens abordando ele no quintal, no momento em que ele estava recolhendo os passarinhos. Eles estavam com a camisa da Polícia Civil e chegaram dizendo: 'perdeu, perdeu. Não corre e abaixa a cabeça e não olha pra mim'. Ele correu para dentro da casa e foi pego pelos criminosos. Trancaram a família na casa, onde houve muitos gritos. De repente levaram ele para fora da residencia, colocaram ele de joelhos e deram alguns disparos na cabeça", lembra.

Siga o M.V no Twitter e no Facebook 

Outra testemunha afirmou que José Hildo era uma pessoa pacata. "Escutamos muitos tiros. Ele era pacato, porém alegre e falava com todo mundo. Nunca vimos nada de errado", diz.

José Hildo trabalhava desde fevereiro do ano passado no gabinete do deputado estadual Jorge Picciani (PMDB). O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Os agentes realizaram a perícia no local e o corpo de José Hildo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Nova Iguaçu. A esposa da vítima foi ouvida e outros familiares também prestarão depoimento.

Fonte: O Dia.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Ajude a manter o Momento Verdadeiro.

Recomendados para você.