Geisy Arruda gasta R$ 200 mil em tratamentos e mostra resultado posando de biquíni.

STF mantém Renan Calheiros na presidência do Senado.

sábado, 2 de janeiro de 2016

Carregador de dinheiro de Youssef diz ter levado R$300 mil para Collor.


Fernando Collor de Mello, senador eleito pelo Partido Trabalhista Brasileiro, teria recebido R$ 300 mil de um intermediário de Alberto Youssef, o doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, de acordo com depoimento em acordo de delação premiada do carregador de dinheiro de Youssef. A entrega, segundo o depoimento, foi feita em pacotes com notas de R$ 100,00. A informação foi divulgada pelo 'Jornal do Brasil'.

“No final de janeiro de 2014, Alberto Youssef solicitou que o declarante (Ceará) transportasse R$300 mil para Maceió”, contou o delator, em depoimento à Procuradoria Geral da República. “Levou trinta pacotes de notas de R$ 100,00”.

Na delação, Ceará, como o doleiro de Youssef é conhecido, afirma que o montante deveria ser entregue a outro carregador, identificado como Rafael Àngulo Lopez, que também fez acordo de delação premiada: “No café da manhã se encontrou com Rafael Ângulo Lopez, que estava acompanhado de outra pessoa que não conhecia e do qual não se recorda o nome”. Ceará diz que Lopez contou que o total da entrega era de R$ 900 mil e que ele não quis dizer quem era o beneficiado.

Ceará só tomou conhecimento de Collor como receptor do dinheiro ao ouvir de Youssef, numa conversa em São Paulo, que o dinheiro era para o senador. A revelação veio por conta de uma reclamação. “Ele (Youssef) comentou com o declarante (Ceará) que tinha recebido uma reclamação porque Rafael Ângulo Lopez tinha chamado Fernando Collor de Mello de ‘velho e gordo’”. O delator afirmou aos procuradores ter dito a Youssef: “Ah, então o dinheiro de Maceió foi para Collor!”. “Alberto Youssef confirmou que sim, que era para Fernando Collor de Mello”.

Siga o M.V no Twitter e no Facebook 

Collor é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) desde março, quando foram abertos as primeiras investigações pela PGR envolvendo políticos como alvos da Lava Jato. A delação de Ceará é de junho, mas se tornou pública nesta semana.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.