Após debate com Moro, senadores apresentam substitutivo a PL.

Gilmar Mendes defende atualização da Lei de Abuso de Autoridade.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Japão e Coreia do Sul reagem a anúncio da Coreia do Norte de lançar satélite.


O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Han Min-koo, ordenou hoje (5) ao Exército que responda de forma “ativa” ao anúncio de lançamento norte-coreano de um satélite a bordo de um foguete, enquanto Tóquio testa um sistema de alerta.

“As nossas Forças Armadas devem manter uma excepcional preparação física e mental para o combate”, afirmou Han Min-koo, durante uma reunião de emergência com autoridades militares por causa do anúncio feito na terça-feira (2) pelo regime da Coreia do Norte.

O ministro ordenou ao Exército, na mesma reunião, que “reaja de forma ativa”. Apesar das declarações, não se espera que a Coreia do Sul responda militarmente no caso de a Coreia do Norte concretizar o lançamento.

Míssil balístico intercontinental | Foto: Reprodução
O regime de Kim Jong-un comunicou a várias entidades internacionais, como a Organização Marítima Internacional (OIM), que colocará em órbita um “satélite” entre os próximos dias 8 e 25, havendo a suspeita de que em discussão está, na realidade, o lançamento encoberto de um míssil.

O ministro da Defesa de Seul também adiantou que a Coreia do Sul e os Estados Unidos da América vão destacar um grande dispositivo de vigilância para efetuar um exaustivo acompanhamento da trajetória do foguete espacial norte-coreano.

Já o Japão testou hoje o seu sistema de alerta implantado em todo o país, diante da possibilidade de ter de utilizá-lo em breve por causa do anúncio da Coreia do Norte.

A entidade japonesa de bombeiros e prevenção de desastres usou o serviço de avisos de emergência J-Alert para enviar uma mensagem a diferentes autoridades locais, informou a agência Kyodo.

O J-Alert faculta alertas rápidos do governo central para facilitar evacuações urgentes e outras ações em caso de desastre.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Fumio Kishida, garantiu hoje que o Japão está preparado para responder, caso seja necessário, e também vai "continuar a exercer a sua influência” para reunir e analisar informação com o objetivo de “proteger a segurança” nacional.

“O Japão também vai cooperar com a comunidade internacional para instar a Coreia do Norte a atuar com moderação”, disse ainda o chefe da diplomacia nipônica, citado pela agência de notícia.

Por seu lado, o ministro da Defesa, Gen Nakatani, revelou que manteve hoje conversações de alto nível com os seus homólogos de Washington e Seul, através de uma videoconferência em que trocaram informações.

As três potências “colaboram de perto” para analisar as atuais circunstâncias, frisou.

O último lançamento desse tipo por parte da Coreia do Norte aconteceu em 2012, quando a Coreia do Norte conseguiu colocar em órbita um satélite através do seu foguete de longo alcance Unha-3, uma ação que a comunidade internacional considerou como parte do seu programa de desenvolvimento de mísseis intercontinentais e que deu lugar à aplicação de novas sanções por parte da ONU.

Mudanças em voos no Japão
As companhias aéreas japonesas ANA e Japan Airlines (JAL) anunciaram hoje mudanças em diversos planos de voo devido à intenção anunciada pela Coreia do Norte de lançar em breve um foguetão, teoricamente para pôr um satélite em órbita.

Entre os dias 8 e 25 de fevereiro – prazo dado pela Coreia do Norte –, as duas transportadoras vão desviar os aviões que sobrevoam as águas ao largo das Filipinas, onde podem cair fragmentos.

A alteração vai afetar três voos regulares da ANA – dois que ligam Tóquio a Manila, e um terceiro entre Jacarta e Tóquio – e dois da JAL (de Jacarta para Tóquio e de Tóquio para Manila).

As ligações devem registrar atrasos entre cinco e dez minutos, segundo as duas companhias aéreas.

O regime comunista assegura que o seu programa espacial tem fins puramente científicos, mas os Estados Unidos e os seus aliados – Coreia do Sul e Japão – consideram-no uma cobertura do seu programa de desenvolvimento de mísseis balísticos intercontinentais.

Fonte: Agência Lusa.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Recomendados para você.