Baleia jubarte, dois botos e tartaruga são achados mortos em Quissamã, RJ.

Cantor sertanejo Victor desabafa durante show.

Facebook do Momento Verdadeiro

sábado, 26 de março de 2016

OAB entra com pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.


O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, irá protocolar na segunda-feira (28/3), na Câmara dos Deputados, o pedido de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. No pedido, feito em nome dos advogados brasileiros, Lamachia sustentará que a presidente cometeu crime de responsabilidade e, por isso, deve ser apeada do cargo e proibida de ocupar cargos públicos por oito anos a partir da decisão do Congresso Nacional.

A representação materializa a decisão tomada na sexta-feira (18/3) pelo Conselho Federal da OAB. O presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, irá acompanhar a entrega do pedido junto com a maioria dos conselheiros seccionais e outros advogados brasilienses, que decidiram há uma semana manifestar publicamente seu apoio à abertura de processo de impeachment.  Será realizada concentração, às 14h, no terminal das vans do Ginásio Nilson Nelson. De lá, os advogados seguirão em vans para o Congresso Nacional, onde devem protocolar o pedido às 16h30.

Juliano Costa Couto lembra que o Conselho Seccional decidiu apoiar a abertura do processo de impeachment porque a maioria dos conselheiros acredita que o governo não tem mais condições políticas de permanecer no comando do país.

Segundo o presidente, “são diversas as condutas da presidente Dilma que revelam que ela se afastou dos deveres constitucionais e republicanos, e acabou cometendo atos que indicam crimes de responsabilidade que devem ser apurados no foro competente, que neste caso é o Congresso Nacional”.

Para o presidente da OAB/DF, além das chamadas pedaladas fiscais, sistema adotado pelo governo que consistiu em fazer os bancos públicos arcar com despesas da União, as declarações do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) em delação premiada envolvendo a presidente na operação Lava Jato e as interceptações telefônicas divulgadas pelos meios de comunicação de conversas entre Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras autoridades, tornaram inviável a continuidade do governo.

O que se pretende, segundo o presidente da Seccional, é passar a limpo todas as acusações formuladas, com o devido respeito às sagradas garantias do contraditório e da ampla defesa. “O objetivo primordial é o de que seja restaurado no país o hoje vilipendiado império da Constituição e das leis”, afirmou Juliano Costa Couto.

2 comentários :

  1. Minoria precisa respeitar os votos da maioria dos eleitores que elegeram a Dilma.
    Isso é democracia.

    ResponderExcluir
  2. Minoria precisa respeitar os votos da maioria dos eleitores que elegeram a Dilma.
    Isso é democracia.

    ResponderExcluir

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Recomendados para você.