Procurador diz que aposentadoria aos 65 anos não se adapta à realidade brasileira.

O procurador da República José Robalinho Cavalcanti disse ontem (16/02), ao participar de debate na Comissão Especial de Reforma da Previdência, na Câmara dos Deputados, que a reforma previdenciária é necessária, mas a idade mínima para a aposentadoria precisa ser discutida “com equilíbrio” para não provocar “grandes injustiças”.

Para Robalinho, apesar da idade proposta pelo governo ser adotada em países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil tem uma realidade diferente do grupo, que reúne os mais desenvolvidos.

"Esses países têm expectativa de vida acima dos 80 anos. O Brasil ainda não está nos 74 anos. Saltar para 65 anos, com 49 anos de contribuição para chegar ao benefício integral, me parece quase absurdo", disse o procurador.

O governo propôs idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres e tempo mínimo de 25 anos de contribuição. Além disso, para ter acesso ao benefício integral será preciso contribuir 49 anos.

A Comissão Especial da Reforma da Previdência vai realizar mais sete audiências públicas para debater a PEC 287.

Edição: Washington Luiz.
Com informações da Agência Brasil.

Comentários

Como porquinhos resgatados de incêndio acabaram servidos como linguiça para bombeiros.