Déjà vu político.

Déjà vu político.
A cena se repete com um misto de sentimentos de já termos presenciado a situação há tempos, como retrata a famosa expressão francesa déjà vu. Após os últimos acontecimentos envolvendo o presidente Temer e o empresário da JBS, Joesley Batista, o Congresso Nacional entra em colapso, o empresariado retorna ao estado de apreensão e a população se decepciona e volta a protestar nas ruas. E o Brasil entra, novamente, em seu ciclo de instabilidade.

A confiança, que começava a dar sinais de melhoria para a volta dos investimentos, retorna à estaca zero. As projeções de economistas são de que os investidores colocam o pé no freio diante da incerteza e o preço da recuperação impacta não só o empresariado, mas a população. 

Parece que nossos líderes - se podemos chamá-los de nossos e de líderes - perderam a vergonha faz certo tempo. A falta de ética, as atitudes e mentiras desmedidas em benefício próprio trazem os efeitos catastróficos que temos presenciado. O ciclo se repete sem nem ao menos aspirarmos a uma saída. Pelo visto, o encarceramento em Curitiba não mete medo nos nossos delinquentes políticos, que continuam a cometer os mesmos crimes e atos de bandidagem de baixo nível.

Mais uma vez caímos no ranking da competitividade mundial, ficando no antepenúltimo lugar na 61ª posição, só à frente da Mongólia e Venezuela. Tudo isso por conta da nossa má reputação, custo corrupção e dos atrasos em nossa legislação. Como sempre digo, ter competitividade significa ser a escolha e, mais do que isso, ser escolhido. Com todo o cenário de incerteza e molecagem, distanciamo-nos cada vez mais das cadeias produtivas internacionais.

E como recuperar a confiança perdida? Em um momento de tanta polarização e ideologias políticas, os ataques e ofensas não são a resposta. Criar um ambiente de negócio sustentável é saber lidar com as diferenças, de forma harmônica e responsável, por meio do diálogos e acordos transparentes que beneficiem a todos. Não seria o momento de reconhecer os erros, parar de mentir e se defender, unir os esforços e começar o árduo trabalho de recuperarmos a confiança interna e externa no País?

Nosso objetivo principal deveria ser cuidar do Brasil de forma a mobilizar a sociedade e o empresariado, eliminando as estratégias de conveniências e conivências e agindo com mais ética no dia a dia. Podemos reverter o ciclo e criar uma nova história, corrigindo os erros para mudar o futuro do País. Esta é a nossa tarefa.

(Por Jairo Martins, presidente executivo da Fundação Nacional da Qualidade).

Comentários

Veja também

Zeca fica com Jeiza e Bibi com Caio.