Criança de 5 anos morre após ser liberada de 2 unidades de saúde sem exames.

Criança de 5 anos morre após ser liberada de 2 unidades de saúde sem exames.
Rio de Janeiro - Um menino de 5 anos morreu depois de ser liberado de duas unidades de saúde sem exames. Diogo Vinicio Alves Pinto morreu no Hospital Carlos Chagas, no dia 02 de novembro, em decorrência de choque séptico, convulsão e pneumonia. A informação é do portal de notícias 'G1'.

De acordo com a família da criança, duas unidades de saúde de Nova Iguaçu a liberaram por três vezes, sem o exame, dias antes dela morrer de pneumonia. A luta para tentar salvar a vida da criança começou no dia 15 de outubro, na UPA de Cabuçu em Nova Iguaçu, após o menino ter dado entrada no local com forte febre e crise de convulsão.Com a alegação de que a máquina de raio-x estava quebrada e que o pulmão da criança estava limpo, Diogo foi apenas medicado e, em seguida, liberado. 

No dia 26 de outubro, a criança voltou a ter febre alta, convulsões e foi para o Hospital Geral de Nova Iguaçu (Posse), onde a família recebeu a informação de que o menino estava sem nenhum quadro grave. Mais uma vez, ele foi liberado sem fazer raio-x.Um dia depois, vendo que o filho tinha piorado muito, a mãe da criança, Deiviane Alves, e o pai, Diogo de Oliveira, voltaram para a UPA de Cabuçu, onde, novamente, ouviram que o pulmão dele estava "totalmente limpo".

Apenas no Hospital 21 de Julho, em Queimados, no dia 31 de outubro, que Diogo fez o raio-x, mas seu quadro já era muito grave e o local não tinha condições para tratar o menino. Sem um diagnóstico correto e tratamento adequado, o menino faleceu e agora a família acusa a UPA de Cabuçu e o Hospital da Posse de negligência.

A família luta para tentar registrar o caso. Familiares já estiveram em duas delegacias e até o momento não conseguiram registrar um boletim de ocorrência. As unidades de saúde onde o menino foi atendido ainda não liberaram o prontuário do paciente. As informações são do portal G1.

Comentários

Motorista usa manequim para enganar polícia e acaba no tribunal.