Flamengo deve ou não renovar com Emerson Sheik?

Thiago Lacerda ganha indenização de R$329.000,00.

sábado, 9 de janeiro de 2016

Com queda do IE, Google Chrome ganhou 32,3% entre os usuários.


Tecnologia - O Internet Explorer perdeu sua posição de maioria absoluta entre os navegadores no mês passado, segundo dados da consultoria Net Applications. De acordo com a empresa de análises, o browser da Microsoft ficou abaixo dos 50% pela primeira vez em dezembro desde que jogou o Netscape de canto e assumiu a liderança do segmento há muito tempo.

O levantamento aponta que o IE fechou 2015 com uma participação de 48,6%, uma queda de 1,5% em relação a novembro, a maior diminuição do navegador em apenas um mês desde outubro de 2011.

Em um dado momento, mais especificamente janeiro de 2005, o IE chegou a ter uma participação de 89,4% no mercado de navegadores, aponta a Net Applications. Antes disso, o browser tinha números ainda maiores, após ter forçado o Netscape sair do mercado e antes do Mozilla ocupar essa espaço com o Firefox a partir de 2004.

O principal fator para essa queda do IE é a decisão da Microsoft de obrigar que a maioria dos usuários faça upgrade para o IE11, de 2013. Além disso, a empresa aposentou o browser no seu mais novo sistema, o Windows 10, que já vem com o substituto Microsoft Edge.

Quem se deu melhor com essa queda do IE foi o Google Chrome, que ganhou quase 10 pontos percentuais no último ano, fechando 2015 com uma participação de 32,3% entre os usuários.

BlackBerry produzirá smartphones Android em 2016.

Enquanto isso, o Mozilla Firefox ficou basicamente estacionado nos últimos 12 meses, entre 11% e 12% - o navegador encerrou dezembro com 12,1%.

E nem mesmo o Microsoft Edge fez muita diferença para o IE. Isso porque a Net Applications inclui a fatia do Edge nos números gerais do IE. Então os 48,6% registrados em dezembro já incluem os 2,3% do Edge.

Fonte: idgnow.com.br

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.