Senador Crivella ressalta aspectos importantes do cenário político atual.

Senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) é entrevistado pelo jornalista on line Washington Luiz.

Blogueiro - Senador Marcelo Crivella um assunto que está tirando a tranquilidade do povo campista e também de todos os municípios produtores de petróleo, é a questão que envolve a partilha dos royalties. Uma briga que começou na Câmara dos Deputados com aprovação da emenda do deputado federal Ibsen Pinheiro, e ganhou destaque no Senado Federal com aprovação da emenda do senador Pedro Simon. Qual é a real situação?

Senador Crivella - Para começar posso afirmar que nós não vamos perder o máximo que pode acontecer é deixarmos de ganhar, mas isso depois de uma luta muito grande. Como nós já votamos: pré-sal, fundo social e a capitalização da Petrobras durante todo esse tempo a exploração de petróleo estará pelas regras atuais. Vinte por cento já estão sendo explorados. Contratos firmados não podem ser mexidos de maneira que nós temos o Direito Adquirido, o Ato Jurídico Perfeito e a Coisa Julgada que são três figuras na esfera jurídica ao nosso favor. Portanto cada vez que o tempo vai passando nós vamos deixar de ganhar, mas como já frisei não perderemos. Mas essa é uma briga que ainda vai muito longe.

E seguindo o exemplo de paciência, sabedoria, perseverança, experiência e fé do sábio velhinho Santiago, que não aviltou diante da dificuldade, permaneceu firme em seu propósito e corou sua conquista. " Nunca dar-se por vencido, e perdendo hoje, sempre haverá um amanhã, porque longe de aviltar; a luta enobrece" Citação do escritor Ernest Hemingway que recebeu o prêmio Nobel de Literatura, no clássico O velho e o Mar.

Blogueiro - Um fato que não foi muito divulgado, mas que gostaria de abordar aqui no blog é a posição do senhor no ranking da respeitada ONG - Transparência Brasil que aponta o senador como terceiro parlamentar com mais projetos aprovados, parabéns pela conquista. No entanto senador o cenário político esse ano mudará muito, vimos o povo brasileiro levantar um clamor e ser atendido com a aprovação do projeto Ficha Limpa. Esse é um novo quadro que mostra um amadurecimento e também um novo perfil do eleitor brasileiro. Como o senhor avalia esse momento?

Senador Crivella - Olha a ONG Transparência Brasil é uma das ONGs mais críticas de Brasília, ela acompanha mesmo com maior rigor possível os políticos. Mas você ressaltou bem, quando abordou a questão da divulgação. Muitas pessoas não sabem por que quando o jornal O Globo divulgou a matéria falou-se apenas do primeiro e segundo colocado, embora normalmente quando assunto envolve qualquer premiação sempre são mencionados os três primeiros. Agora eu posso dizer ao Blog que fiquei muito honrado, pois eles são criteriosos em seu julgamento. Analisam os discursos, os projetos, mas sobre tudo os votos. É na hora do voto que o senador mostra onde está o seu coração, e eu quero dizer ao povo de Campos que posso subir a tribuna do Senado Federal tranquilo, pois nunca votei contra o aposentado, nem contra trabalhador e nunca votei pelo capital em detrimento do trabalho.

Com relação ao projeto Ficha Limpa realmente ele é um clamor do povo brasileiro que não aguentava mais ver suas lideranças políticas envolvidas com corrupção. Então agora quem for condenado em segunda instância não poderá concorrer as eleições. Pode até buscar na justiça uma forma de concorrer através de liminares, mas terá sua eleição muito complicada, principalmente se for candidato a cargos majoritários (presidente da república, governador, prefeito) esse candidato vai participar do pleito sob efeito de uma liminar o que já inválida sua candidatura, visto que nessas circunstâncias os outros candidatos vão explorar e tripudiar com essa situação.



Blogueiro - As pesquisas indicam o senhor no topo da preferência para novamente representar o Rio de Janeiro no Senado. Por conta desses resultados existem alguns veículos de comunicação que tentam macular a imagem do senhor, inclusive chegaram a dizer que o senador havia votado contra os estados produtores de petróleo, nesse caso o Rio de Janeiro e Espírito Santo. O que o senhor tem a dizer sobre esse assunto?

Senador Crivella - Você está falando sobre a acusação que publicaram e alguns veículos de que eu teria votado contra o Rio. Bom! O povo do Rio de Janeiro é inteligente e vai pensar, Marcelo Crivella é do Rio de Janeiro, seus filhos são do Rio ele se elege pelo Rio. Ora isso não faz sentido, jamais votaria contra o Rio. Agora quem está dizendo que eu votei contra o Rio é o presidente da Assembléia Legislativa, mas porque ele está dizendo isso, porque ele é candidato a uma vaga no Senado. Então fica fácil de entender o verdadeiro interesse em questão, ele quer tirar o Crivella para entrar no lugar dele. Todavia você deve estar questionando, senador tirar a vaga do senhor usando uma mentira. Sim! Mas a mentira tem perna curta e o povo todo vai saber disso. Até mesmo porque, os jornais divulgaram quais foram os partidos que votaram favoráveis ou contra Rio. E nesse caso quem votou contra foi o PMDB, que deu a Lei, criou a emenda foi o senador Pedro Simon que é do PMDB, partido do Jorge Picianni. O Hélio Costa que foi ministro das comunicações e votou contra também é do PMDB, do governador Sérgio Cabral. Enfim a verdade é que o PMDB foi mal com Rio de Janeiro.

Blogueiro - O senhor vê então essa situação como uma forma de encobrir a atitude errada do PMDB e desviar o foco dessa falta gravíssima do partido com a população do Rio de Janeiro?

Senador Crivella - É possível que haja aí uma operação de maquiagem, uma operação para atentar como uma cortina de fumaça. Mas o que importa é que a população sabe do meu compromisso com Rio de Janeiro. Minha avó é aqui de Macaé, meus filhos são nascido em Volta Redonda, eu e minha esposa somos cariocas, o bispo Edir Macedo meu tio, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, do qual me orgulho muito, é nascido em Rio das Flores.

Enfim para concluir a votação tá aberta, alias o meu partido votou 100% no Rio de Janeiro. No Partido Republicano Brasileiro somos dois senadores eu e o Roberto Cavalcante na Paraíba, e lá é uma região que teoricamente pode receber muito mais royalties se essa Lei passar a vigorar. E ele votou contra, votou comigo a favor do Rio. E quando chegou à Paraíba todos os noticiários apontavam seu nome como único senador que votou contra a Paraíba e ele então convocou a imprensa e disse que votou sim. Pois não rasgaria a Constituição, portanto não votaria na injustiça.

Blogueiro - Sobre o aumento dos aposentados sancionado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva. Como o senhor vê essa aprovação?

Senador Crivella - Recebi essa notícia e fiquei muito feliz. O Brasil está aproveitando esse momento de crescimento econômico para fazer justiça aos aposentados. Para se ter uma idéia os aposentados que se aposentaram há dez anos atrás recebendo dez salários mínimos, hoje só estão recebendo dois ou três. Infelizmente, os aposentados foram ao longo desse período foram espoliados. O Brasil voltou a crescer, crescemos 10% no primeiro bimestre. Há uma previsão de alguns órgãos internacionais da economia apontando que o País deve crescer mais 8%. Meu Deus do céu é hora de ressarcir mesmo os aposentados. Inclusive eu apresentei um projeto do qual tenho muito orgulho para que os aposentados do INSS possam comprar remédios de uso contínuo sem tributação a preço de custo de forma que o Governo não cobra o imposto e as farmácias tirem a margem de lucro, aí sim estamos fazendo justiça aos aposentados, que hoje estão gastando muito com remédios. As pessoas de Campos, das cidades do interior e todos que estão lendo essa entrevista podem observar que é o comércio que mais cresce é farmácia, remédio é muito caro, caríssimo em todo Brasil. E agora com esse novo projeto espero que os aposentados possam comprar remédios a preço de custo.


Blogueiro - Senador é sempre bom falarmos de coisas boas. Entre os muitos projetos do senhor aprovados que beneficiam principalmente os segmentos profissionais menos favorecidos, como o que regulamentou a gorjeta dos garçons, o trabalho dos Motoboys, enfim são muitos projetos que atendem essas classes que prestam um serviço tão importante para sociedade. Um dos projetos aprovado recentemente isenta a cobrança de IPI para os deficientes auditivos, e isso é muito importante para proporcionar maior acessibilidade para essas pessoas especiais, que precisam de automóveis adaptados. Fale um pouco mais sobre esse projeto?

Senador Crivella - Realmente Washington é muito bom mesmo falarmos de coisas boas. E posso te dizer que me sinto feliz quando se aprovam projetos que favorecem os menos privilegiados é uma questão de justiça.

Esse projeto que busca a isenção do IPI para os deficientes auditivos é muito importante. Inclusive posso te adiantar de primeira mão, que já estou fazendo contato com vice-presidente da república José Alencar de forma que esse projeto, já aprovado no Senado, tramite com urgência na Câmara dos Deputados. E depois seja sancionado agora mesmo, antes dele passar o governo. Pois me parece que o presidente Lula vai precisar tirar uma licença e o Alencar deve assumir o que será uma honra para nosso partido tê-lo como presidente nesse período.

Estive com o presidente da Federação dos Surdos, eles não são mudos, mas como não ouvem, acabam não conseguindo falar. E durante minha visita eles estavam me dizendo o quanto é importante poderem comprar um carro sem os impostos, porque eles dirigem muito bem. Mas os veículos necessitam de algumas adaptações, tipo se estiver uma porta aberta uma luz acende, enfim eles estão empolgados e esperançosos com aprovação desse projeto. O Brasil tem 20 milhões de portadores de necessidades especiais, desses 600 mil está no Rio de Janeiro e nós precisamos ser os ouvidos do surdo, os olhos do cego, a voz dos mudos, as pernas dos cadeirantes, a esperança de um pobre, a justiça dos injustiçados, e essa é a função primordial de um político representar o povo, sobretudo na hora que ele precisa.


Blogueiro - Estamos numa nova era onde a tecnologia está cada vez mais presente na vida do brasileiro. E com esses recursos ao alcance de mais pessoas as ferramentas de comunicação também ganham uma nova perspectiva com o advento internet e avanço da Blogsfera como uma ferramenta de comunicação livre. Qual a opinião do senhor sobre os blogs?

Senador Crivella - Os blogs hoje prestam um serviço extraordinário, o povo brasileiro está cada vez mais conectado. E nós parlamentares temos que apoiar. Eu faço voto que os blogs cresçam, mas não percam sua integridade que não se vendam, não sejam corrompidos como uma grande parte da imprensa hoje. Que os blogs possam realmente levar a notícia apurada preservando sua essência e contribuindo para formação de uma sociedade mais informada e participativa.

Considerações finais:

Blogueiro - Senador Crivella, que o Senhor Jesus abençoe o senhor e sua família iluminando seus caminhos para que o senhor possa estar sempre logrando êxodo nessa árdua tarefa que lhe foi atribuída de representar e defender o povo brasileiro no Senado Federal.

Senador Crivella - Obrigado pelo carinho Washington. Que Deus abençoe sua família, os leitores, visitantes e esse trabalho que gostaria de parabenizar pela qualidade e respeito demonstrado.

Por: Washington Luiz

Comentários

  1. Senador Crivella o senhor está fazendo um excelente trabalho quando atende a demanda desse segmento da sociedade menos favorecido. Que Deus abençoe o senhor e continue fazendo essa política social limpa.

    Boa reportagem blogueiro... Mostrando a verdade... Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Crivella as perseguições são a prova de que o trabalho está sendo feito... rsrsrrsr - Essa do Picianni foi boa, o partido dele vota contra e ele tem a cara de pau de dizer que foi o senhor....

    ResponderExcluir
  3. O senhor falou uma verdade mesmo, até onde podemos confiar na imprensa tendenciosa que defende os interesses dos manipuladores e levam ao povo notícias distorcidas... Eh Brasil! Ainda bem que que existem os Blogs... rsrsrsr... e o povo tem essa nova oportunidade de ler notícias.

    ResponderExcluir
  4. Esse lance da emenda do senador Simon foi uma estratégia eleitoreira. E quem é prejudicado. O povo do Rio de Janeiro, fala sério.... Que vergonha heim PMDB....

    ResponderExcluir
  5. Mentira tem perna curta....Se o nariz crescesse .... o que teria de gente nariguda não é brincadeira... Sou mais os Blogs mesmo....Se não dúvido que saberia dessa marmotisse do PMDB ... Deixa o Brasil desenvolver..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

O Caçador de Recompensas (1972) | Filme de Faroeste Dublado