Dilma Rousseff – o preço para manter bom relacionamento com os aliados.

Reprodução
O bom e velho jeitinho brasileiro. A presidenta Dilma Rousseff recuou e decidiu ontem (29) prorrogar o decreto que permite o pagamento de emendas parlamentares de 2009 que estavam inscritas nos restos a pagar.
Dilma, preocupada em manter um rigor fiscal, já havia avisado a aliados que não prorrogaria o decreto que permite gastos adicionais de aproximadamente 1,8 bilhão de reais e que atendem principalmente obras de prefeituras que assinaram convênios com o governo federal por meio de emendas parlamentares.
Contudo, ao ser alertada pela ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, de que a decisão dificultaria a vida do Executivo no Congresso, a presidente recuou de sua decisão. Temendo as ameaças de aliados, ela ordenou que a equipe econômica encontrasse espaço no orçamento para permitir o adiamento por 90 dias do decreto, que vence na quinta-feira. As informações são da revista Reuters.
Com isso, Dilma espera atender a uma das principais reivindicações de sua base aliada e aprovar antes do recesso parlamentar, que começa em 15 de julho, matérias importantes como a criação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e o projeto que corrige as alíquotas de Imposto de Renda para Pessoa Física, entre outras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.