Eu apoio Notícias do Momento

Universidade Estácio de Sá nega que cobra ou tenha intenção de cobrar taxa de seus alunos para emitir boletos ou carnês.

(DIVULGAÇÃO)
Nesta quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012, o "Momento Verdadeiro" faz saber através de nota enviada pela Assessoria de Comunicação da “Universidade Estácio de Sá”  que instituição nega a informação de que estaria cobrando para emitir boleto bancário ou carnês  a seus alunos.

A “Estácio de Sá” informa que desde 2009 quando assinou um TAC (“Termo de Ajustamento de Conduta”) com o Ministério Público do Rio de Janeiro, este representado pelo Promotor da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (Dr. Júlio Machado Teixeira Costa), através do qual a Instituição assumiu o compromisso de abster-se de cobrar de seus alunos quaisquer taxas bancárias decorrentes de emissão de carnês ou boletos bancários ou, ainda, quaisquer outros custos havidos para a cobrança dos respectivos produtos ou serviços bancários.

Aliás, torna-se importante ressaltar que a Instituição cancelou, por sua própria vontade, o repasse da referida taxa bancária em momento anterior à assinatura do referido TAC e que assinou o mesmo como forma de reforçar e demonstrar ao Ministério Público sua intenção de não cobrar de seus alunos a referida taxa.

A Estácio ressalta, também, que a Instituição não cobra mais por essa taxa e nem tem a intenção de voltar a fazer tal cobrança. Inclusive, o próprio Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, através da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (por iniciativa do Promotor Júlio Machado Teixeira Costa), fiscalizou a Estácio e ainda fiscaliza periodicamente para constatar o fiel cumprimento do TAC, sendo certo que em todas as verificações, a Estácio comprova de forma inquestionável a abstenção da cobrança da referida taxa bancária.

Por todo o exposto, a Estácio confirma a não procedência da informação fornecida pela 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do referido órgão, na medida que temos um TAC inegavelmente firmado e em vigor com o próprio Ministério Público do Rio de Janeiro e que o mesmo está sendo fiel e integralmente cumprido pela Instituição.

Cabe, ainda, informar que já havendo um TAC firmado com a 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, o direito tutelado por esse instrumento já está devidamente resguardado, não sendo necessário, portanto, a assinatura de outro TAC com uma Promotoria do mesmo órgão e do mesmo Estado, tratando da mesma matéria e/ou direito.  

Por fim, a Estácio desconhece a citada Ação Civil Pública supostamente distribuída pela 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. Independentemente da existência da referida ação judicial, a Estácio entende que a mesma carece de embasamento fático, na medida que temos um TAC firmado e que, principalmente, não está cobrando a referida taxa.

*Com informações da Ascom da Universidade Estácio de Sá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.