Fiéis ficam expostos à influência de lideranças religiosas sobre suas decisões eleitorais, diz estudo da UENF.

Uma pesquisa de doutorado da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro mostrou que os evangélicos pentecostais tendem a ser influenciados por lideres religiosos na hora de escolher seus candidatos. Embora a realidade tem aponta que muitos desses políticos "religiosos" quando são eleitos não atendem a demanda da sociedade. 

O estudo foi realizado pelo  jornalista Gustavo Smiderle no Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UENF. O pesquisador utilizou dados de questionários aplicados em Campos dos Goytacazes (2008) e em Macaé (2009) e ainda informações levantadas anteriormente pelo “Observatório das Metrópoles” nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Natal. Em Campos e Macaé, o questionário incluiu questões para avaliar a importância que os eleitores atribuem a critérios religiosos na escolha dos candidatos, o que pôde ser cruzado com a pertença religiosa do entrevistado. Os resultados indicaram que os que se declararam evangélicos pentecostais ou católicos carismáticos – a vertente pentecostal do catolicismo – davam mais importância a parâmetros religiosos. 

Você leva em consideração a religião do seu candidato na hora de decidir o voto? Essa foi uma das perguntas levantadas pela pesquisa. Em um contexto de sociedade moderna e Estado laico, a resposta mais esperada para essa pergunta seria “não”, mas a realidade encontrada pelo pesquisador foi um pouco diferente.

É de conhecimento geral que as igrejas evangélicas pentecostais disseminam um estilo religioso com ênfase na emoção e em milagres, usam de uma leitura mais literal da Bíblia e tendem a explicar bons e maus acontecimentos do mundo pela batalha entre o céu e o inferno. Segundo a pesquisa, que teve vertentes quantitativa e qualitativa, é neste grupo da população que se encontra o maior número de pessoas que consideram mais importante a crença em Deus, por exemplo, na hora de escolher um candidato. O trabalho foi orientado pelos professores Sergio de Azevedo e Wania Mesquita, do CCH/UENF.

— Um governante evangélico atrairia bênçãos para o país enquanto um governante “pecador” acarretaria consequências negativas — afirmou um pastor entrevistado na fase qualitativa da pesquisa, intitulada 'Modernidade mágica: o pentecostalismo brasileiro 100 anos depois'.

De acordo com o estudo, os praticantes das religiões evangélicas pentecostais tendem a analisar toda a realidade pelo filtro de categorias religiosas. Não só na política ou na eleição, mas em todas as áreas da vida. Segundo esta visão de mundo, a maioria do que acontece na Terra é reflexo da batalha espiritual entre Deus e Satanás. Isto pode ser aplicado a fatos como perda de emprego, problemas conjugais ou doenças não diagnosticadas: tudo isto seriam obras de entidades malignas que se aproveitam das fraquezas humanas.

- Trabalhamos com a noção de pentecostalização e vimos que onde ela é mais forte o indivíduo fica mais exposto à possível influência das lideranças religiosas sobre suas decisões eleitorais – resume Gustavo Smiderle, que contou com a colaboração do professor Vitor Morais Peixoto e do então mestrando Marcus Cardoso na tabulação dos dados.

Momento Verdadeiro | Com informações de Ana Clara Vetromille 
B. Ciência da UENF. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora cometeu crime de propósito para ser presa?

Professor Xavier e Magneto se casaram?

Chamar uma mulher de cachorra é elogio?

Morre Berenice Benício, mãe do ator Murilo Benício, vítima de câncer.

Jô Soares no velório do filho, Rafael Soares.

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *