Advogado da 'AEG' pode revelar “podres” de Michael Jackson.


Los Angeles - O advogado da mãe de Michael Jackson, Brian Panish, está acusando a produtora de shows AEG de colocar suas ambições de realizar os shows do Rei do Pop acima do bem-estar do cantor. Já  que os advogados de defesa ameaçaram mostrar alguns “podres” sobre os hábitos do Rei do Pop durante sua preparação para a turnê. Michael Jackson bebia seis garrafas de vinho para combater a insônia. A informação é do site "OFuxico".
(Foto:Reprodução de Internet)
De acordo com a publicação, o advogado da família de Jackson disse que a produtora agiu com negligência ao contratar o médico Conrad Murray para cuidar do cantor antes e durante os shows, algo que a própria Katherine já havia falado para a imprensa. Citando o vício de Michael em medicamentos e drogas, Panish disse que "a AEG ignorou os óbvios sinais de alerta e contratou o doutor Murray".

Já o advogado da defesa, Marvin Putnam, disse: "É um caso sobre o que é público e o que é privado; sobre o que mostramos ao mundo e o que não queremos que o mundo veja nunca. Com Michael Jackson, o público e o privado são dois mundos muito distintos. Vamos expor coisas feias (...) Não será uma imagem bonita".

Segundo o advogado da acusação, as ambições da AEG giravam em torno de se tornar a maior produtora de eventos musicais do mundo, com os shows da turnê This is it, que Michael Jackson.

Com relação ao pedido de indenização de US$ 40 bilhões, que chegou a girar na imprensa americana, Panish negou tudo e disse que o valor correto é US$ 1,5 bilhão (R$ 3 bilhões). A quantia corresponde à renda que deixarão de receber devido à morte de seu pai. "Michael Jackson, o doutor Conrad Murray e a AEG Live: cada um teve um papel no resultado final, que foi a morte de Michael Jackson. Mas sem a AEG nada disso teria ocorrido", disse o advogado da família Jackson. (As informações são do site "OFuxico").

Comentários

Eu apoio Notícias do Momento

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.