Neymar processa suposta pivô da sua separação com Marquezine.

Neymar entrou com um processo contra Laryssa Souza de Oliveira, a suposta pivô da sua separação com Bruna Marquezine. A mineira alega que o jogador arcou com os custos de sua viagem a Barcelona, e a hospedou em sua casa, enquanto namorava a atriz, que mora no Brasil. A ex-amiga do atacante afirma que os dois ficaram durante a sua viagem, apesar de Neymar negar a informação.

O jogador mais caro do futebol já havia avisado que entraria na Justiça contra Laryssa. A jovem foi notificada a dar maiores explicações sobre o caso na 1° Vara Criminal de Ipatinga, na quarta-feira (26).

O relacionamento entre Neymar e Bruna Marquezine começou a entrar em crise quando vazaram fotos de Laryssa na Espanha. A modelo esclareceu que os dois eram amigos desde 2009, quando ela morava em Santos. "Ele sempre me chamava para ir à Espanha. Então aceitei porque não tinha condições de fazer uma viagem como essa com recursos próprios. Coisa de amigo mesmo. Neymar disse que era para eu ir porque nos divertiríamos muito", afirmou.


Laryssa permaneceu por três dias na cidade catalã, mas foi ameaçada pelo jogador caso Bruna descobrisse. "Ele disse que acabaria comigo caso Bruna não quisesse mais nada com ele", contou. Os dois não se falam desde o incidente. "Fiquei uma semana negando que estivesse com ele, mas Neymar não me defendeu em nenhum momento. Houve traição e ele sabe disso", desabafou.

Bruna e Neymar terminaram o relacionamento no dia 11 de fevereiro, exatamente um ano depois de assumirem o namoro publicamente. Segundo fontes do Purepeople, eles já vinham enfrentando uma crise há algum tempo antes de decidirem colocar um ponto final na relação. "Eles não estavam 100% bem. Ele já estava querendo terminar há tempos por que ela perturbava", informou a fonte à nossa equipe. A assessoria da Luiza, de "Em Família" confirmou o rompimento.

Fonte: Purepeople

Comentários

Eu apoio Notícias do Momento

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.