Presidente do Instituto Mão Amiga de Campos, RJ, foi vítima de latrocínio.

As investigações sobre o assassinato do presidente do Instituto Mão Amiga, Adriano Ferreira Machado, apontam que a vítima foi de latrocínio. A informação foi divulgada pelo delegado Geraldo Rangel, titular da 134ª Delegacia Policial (DP). 

O crime ocorreu na sede da instituição, no bairro Novo Jóquei, na cidade de Campos dos Goytacazes, no interior do Rio de Janeiro.

Com a prisão de um suspeito da morte de Adriano, identificado como Edson Baiano, a polícia descobriu que ele não agiu sozinho. De acordo com o delegado, mais duas pessoas teriam participado do crime. 

A Polícia Civil de Campos decretou a prisão temporária de Lucas Moura e ouviu outro suspeito. De acordo com o delegado, Baiano assumiu todo o crime. O suspeito disse que "foi ele quem matou, enfiou a faca na vítima".

Investigações

A polícia trabalha com duas hipóteses para o crime. 

Na primeira, teria ocorrido uma discussão entre a vítima e o criminoso. 

Na segunda, a denúncia que o presidente do Instituto Mão Amiga fez no Facebook dando conta que um homem estaria roubando material de construção, pode ter sido o estopim para ação do criminoso.

Detalhes sobre o crime

Segundo o delegado Geraldo Rangel, no dia do crime, Adriano estava com Baiano e Lucas. Em seu depoimento, Edson disse que ele e Lucas não estavam sob efeito de droga. O crime ocorreu na noite de domingo, dia 07 de maio. O corpo da vítima foi achado por volta de meio dia de segunda-feira (08/05). 

Ainda de acordo com informações da polícia, Baiano e Lucas teriam ficado quase 12 horas em poder do corpo. Nesse intervalo, os suspeitos saíram após o crime, pelo menos duas vezes, para levar objetos que foram roubados para vender. Com o dinheiro, eles compraram drogas e usaram dentro do Instituto Mão Amiga.

Os suspeitos, Edson Baiano e Lucas Moura, têm passagem por latrocínio. 

Washington Luiz, repórter do Momento Verdadeiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.