Bebê morre no RJ depois que médica se negou a prestar socorro.

Um bebê morreu logo depois que uma médica se negou a prestar socorro. O fato ocorreu na cidade do Rio de Janeiro na manhã da última quarta-feira (07/06). 

Os pais da criança afirmam, de acordo com informações do site G1, que a médica foi embora antes de fazer o atendimento. Infelizmente, a outra equipe médica que foi encaminhada para o atendimento, só chegou duas horas depois da morte do bebê.

A vítima, o menino Breno Rodrigues Duarte da Silva, de 1 ano e 6 meses, sofria de uma doença neurológica. 

Os pais de Breno registraram o caso na 42ª Delegacia Policial, no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira.

Entenda o caso


No começo da manhã da última quarta-feira, dia 07 de junho de 2017, os pais do bebê ficaram preocupados porque ele estava com dores no estômago. De acordo com a mãe do bebê, a empresária Rhuana Lopes Rodrigues, a  internação foi solicitada a Unimed — A Unimed mandou a ambulância para gente, a gente solicitou às 8h20 da manhã. Quando foi às 9h10 ambulância chegou ao condomínio, só que ambulância chegou no nosso condomínio e nós não sabemos o porquê a médica da ambulância, plantonista que foi para levar o meu filho para a internação não atendeu — contou a mãe do bebê.

Uma câmera de segurança do condomínio registrou o momento em que a médica estava dentro da ambulância. As imagens mostram a médica rasgando alguns papéis, gesticulando bastante e depois indo embora. — O porteiro me avisou novamente o que tinha acontecido, eu liguei novamente para o home care. E a outra ambulância só chegou duas depois, às 11h quando meu filho já havia falecido — lamentou a mãe do bebê, que está grávida do segundo filho.

A Unimed-Rio lamentou a morte do bebê e informou que vai entrar na Justiça contra a empresa Cuidar por causa da recusa de atendimento. 

Washington Luiz
Repórter do Momento Verdadeiro
Com informações do G1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.