Questão com expressões racistas em concurso público vira caso de polícia.

É Notícia. Um concurso público virou caso de polícia no estado de Goiás. Tudo porque a prova para cargos em diversas áreas na Prefeitura de Morrinhos tinha uma questão que pedia para o candidato associar a interpretação de um texto bíblico com expressões racistas.  

A prova, elaborada pela Consulpam, tinha um texto com o título: Qual é a origem do racismo? O texto afirma que no século XV, teólogos europeus chegaram a conclusão de que escravizar africanos era natural. Ainda segundo o texto, o embasamento histórico para isso vinha de uma passagem bíblica do livro de Gênesis em que Canaã, descendente de Noé, se embriaga e por isso é condenado a escravidão. 

Com base neste texto, a questão perguntava qual seria o provérbio racista que representava a ideia expressa no trecho bíblico. 

Nesta questão, os candidatos tiveram quatro opções de respostas: 

a) Negro parado é suspeito, correndo é ladrão, voando é urubu.
b) Negro só tem de gente os dentes.
c) Negro quando não suja na entrada, suja na saída.
d) Negro deitado é um porco, é de pé é um toco.

Segundo o gabarito da prova, a questão correta é a letra b.

Acontece que um dos candidatos a uma vaga de Fiscal de Posturas, que é negro, ficou indignado com a questão e ao sair do local da prova procurou a delegacia e registrou uma denúncia. O delegado abriu um inquérito e já ouviu o coordenador dessa prova e ainda deve ouvir o membro da banca que elaborou a questão polêmica. 

O delegado responsável pelo caso disse que se for comprovado o teor ofensivo pedirá o indiciamento dos responsáveis pelo crime de racismo, com pena de até cinco anos de prisão. 

A Consulpam negou a hipótese de racismo e alega que seu objetivo era justamente debater o preconceito. A empresa diz ainda que trabalha com a possibilidade de anular esta questão da prova. Com informações da Globo News.

Washington Luiz, repórter do Momento Verdadeiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.