Eu apoio Notícias do Momento

PM matou homem dentro de cinema na frente da família após discussão sobre poltrona.

Ir ao cinema era para ser um momento de lazer, mas acabou mudando completamente a vida duas famílias em Dourados, no estado de Mato Grosso do Sul. Provavelmente, Julio Cesar Cerveira Filho queria curtir aquele momento ao lado da filha, mas o que ele não sabia é que este seria o último. E tudo por causa de uma briga, que teve inicio após uma discussão sobre poltronas. A confusão terminou com a morte de Julio e um policial militar ambiental é o principal suspeito. De acordo com o delegado Rodolfo Daltro, o policial não conhecia a vítima. 

No boletim de ocorrência, o policial Dijavan Batista disse que estava acompanhado de seus dois filhos, um de 10 e um de 14 anos e que a vítima teria "começado a abrir braços e pernas" ao lado do garoto mais velho, momento em que o pai trocou de lugar com o menino. Em seguida teria acontecido uma discussão entre autor e vítima, momento em que Julio, ao sair de sua poltrona e passar pelo filho de Dijavan, ele teria batido no rosto do adolescente.

Ouça a reportagem completa no vídeo abaixo:

Testemunhas que estavam na sala 1 que exibia "Homem-Aranha: Longe de Casa", relataram que quando a dupla chegou à porta entraram em luta corporal, foi neste momento em que o policial sacou uma pistola .40 e disparou contra a vítima, atingindo-lhe o pescoço. Ele não resistiu e morreu na frente da filha de 16 anos.

Em nota enviada ao 'G1', o tenente coronel da PM Carlos Silva afirmou que o PM ligou para a polícia comunicando o crime: "Ele ligou para o 193 e 190 após o fato informando que seria o autor, aguardou a equipe no local e se apresentou", diz o comunicado. Ele informou que serão instaurados dois inquéritos, um pela Polícia Civil e outro pela Policial Militar. Dijavan foi preso em flagrante. 

Ainda não há informações sobre a defesa do policial.

Com informações do G1 - Obrigado pela audiência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.