Mulher tentou receber prêmio da Mega-Sena na Lotérica com bilhete falsificado.

NOTÍCIA - Certamente você já deve ter ouvido falar sobre várias tentativas de golpes, geralmente, são bem planejados, elaborados com objetivo de enganar e tirar vantagem financeira. Agora, o tal "crime impossível" nunca tinha ouvido falar! É justamente desse modo que a Polícia Civil de Mato Grosso chamou a tentativa de uma jovem de 22 anos de retirar o prêmio da Mega-Sena com um bilhete falsificado em uma lotérica. 
Chama atenção aqui o valor do prêmio, R$32 milhões. A falsa ganhadora foi até a agência e insistiu que o bilhete era premiado. Parecia tão convencida de que poderia levar o prêmio que chegou a circular os números com uma caneta para tentar convencer os funcionários da lotérica. Vale lembrar que hoje não temos só as lotéricas e outros sorteios aprovados pela Caixa Econômica Federal para apostas legalizadas, mas também temos sites de apostas online. Aprovados para serem localizados no Brasil via internet desde 2018, acabam sendo uma forma alternativa de se ganhar dinheiro com o meio.

No caso acima, a proprietária da Casa Lotérica foi chamada para resolver a situação e acionou a polícia. De acordo com a Polícia Civil, ficou entendido que a mulher tentou utilizar “de meio absolutamente ineficaz” para tentar aplicar o golpe e por isso foi configurando crime impossível. A mulher recortou os números e colou no bilhete que apresentou. A fraude foi identificada logo de cara. 



Ela prestou depoimento e já foi liberada, mas a ocorrência foi registrada na delegacia de São José do Rio Claro. A mulher contou à policia que tentou aplicar o golpe para ajudar a família que passa por dificuldades financeiras. Cabendo ressaltar que Lotéricas não fazem pagamentos de valores muito altos. Esses prêmios são pagos somente na Caixa Econômica Federal. Mas uma prova de que a mulher sequer parou para pensar de que nunca conseguiria receber em uma Casa Lotérica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PF deflagra 59ª fase da Operação Lava Jato.

Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado.