Maternidade investiga 'tampão' dentro de mulher após parto.

Nasa anuncia descoberta de novo sistema solar com sete planetas.

Facebook do Momento Verdadeiro

domingo, 25 de outubro de 2015

Buraco negro engole estrela.


Um estudo da Nasa publicado nesta quinta-feira (22) conseguiu obter informações sem precedentes da destruição de um estrela engolida por um buraco negro. A observação de raios-X mais detalhada feita até hoje de revela o que acontece com a matéria do astro ao ser devorado, e foi reconstituída na forma de uma animação.
O cataclismo intergaláctico relatado no estudo ocorreu em 22 de novembro de 2014, em uma estrela na galáxia PGC043234, a 295 milhões de anos-luz -- não muito distante em termos cósmicos. Foi a primeira fez que um fenômeno dessa magnitude foi observado numa galáxia tão próxima em décadas recentes, quando já existiam instrumentos capazes de estudá-lo.


O clarão que acendeu o alarmo dos cientistas foi revelado pelo programa Asas-SN, da Universidade Estadual de Ohio, que mantém um esquema de varredura do céu em busca de eventos extremos. Assim que detectou o fenômeno, o telescópio alertou a Nasa, que observou o que ocorria em telescópios de raios X e gama.

Segundo os cientistas, o que ocorreu com a estrela em questão é que ela foi destruída pelo buraco negro por meio de efeitos gravitacionais chamados de perturbações de maré. O monstro cósmico em questão fica no centro de sua galáxia, mas é menor que o buraco negro de nossa galáxia, a Via Láctea.

Perturbações de maré


"O buraco negro rasga a estrela e começa a engolir material rapidamente", afirmou Jelle Kaastra, do Instituto de Pesquisa Espacial da Holanda, um dos coautores do trabalho, em comunicado à imprensa. "O buraco negro não consegue manter o ritmo, então expele parte do material para fora."

Esse material, conforme já se previa em teoria, acaba se distribuindo na forma de disco de gás ultra aquecido que orbita o o buraco negro. A alta temperatura do gás observado agora, indica que parte dessa matéria está no limite de passar do horizonte de eventos, a fronteira a partir da qual não se pode mais escapar de um buraco negro.

Os telescópios Chandra, Swift e XMM-Newton, da Nasa, não tiveram poder de resolução suficiente para enxergar a estrutura formada pela destruição da estrela. Conseguiram, porém, obter dados de luminosidade e padrões de frequência com detalhes suficientes para os cientistas reconstruírem o cenário. A partir dessa ideia foi feita a animação acima.
Segundo os cientistas, o estudo de mais eventos como esse deverá permitir a elaboração de cenários mais precisos sobre o que ocorre quando buracos negros engolem estrelas. O estudo sobre o evento em PGC043234 está na edição desta semana da revista "Nature".

Fonte: G1

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Recomendados para você.