Deu ruim! Rayanne Morais e Douglas Sampaio foram parar na DP.

Gilmar Mendes defende atualização da Lei de Abuso de Autoridade.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Recrutados para o Estado Islâmico são obrigados a cometer crimes contra gays.


As pessoas que vêm à Europa recrutar integrantes para combater junto ao Estado Islâmico (EI) obrigam os candidatos a atacar homossexuais, para demonstrar sua capacidade de lutar na Síria. A informação é da agência de notícias EFE, que cita o tablóide belga Het Nieuwsblad.

A denúncia foi feita por um combatente jihadista preso pela Justiça da Bélgica e os ataques – que teriam ocorrido no segundo semestre de 2015 – serviram para demonstrar que os recrutas eram 'bons jihadistas' e 'corajosos o suficiente' para combaterem na Síria.

O menor detido confessou à Justiça belga ter cometido seis ataques contra homossexuais, juntamente com outros candidatos a se juntarem ao EI, acrescentando que se não tivesse sido preso, “provavelmente estaria agora na Síria”.

Os atacantes percorriam os bairros gays de Bruxelas e atraiam as vítimas, indo com elas para casa, onde as maltratavam até revelarem onde tinham dinheiro e outros objetos de valor.

Segundo um dos investigadores, os ataques também serviam para arrecadar fundos aos combatentes na Síria. O suspeito dos atentados de Paris em novembro, que ainda está foragido, Salah Abdeslam, foi visto em bares frequentados por homossexuais dias antes dos ataques.

Fonte: Agência Lusa.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Não divulgamos links.Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do M.V News.

Recomendados para você.