Pai é condenado por mandar matar filha no 'crime do papai noel'.

Dez anos, dez meses e vinte dias de prisão, esse é o tempo que o empresário Renato Grembecki Archilla deveria cumprir por mandar matar a filha Renata Guimarães Archilla. O caso ficou conhecido como 'crime do papai noel'. Ela sobreviveu ao atentado em que levou três tiros. 

O julgamento ocorreu no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo. De acordo com informações do portal 'G1', os jurados consideraram as qualificadoras como crime torpe e sem possibilidade de defesa. Ele teria mandado matar a própria filha para que ela, fruto de um relacionamento não reconhecido, não recebesse a herança. Renato é dono de uma criação de cavalos manga-larga. 

Renato Archilla poderá recorrer em liberdade. Na sentença, a juíza destacou que o crime ocorreu há 16 anos, o réu é primário, de bons antecedentes, tem residência fixa e não se furtou em nenhum momento à aplicação da lei, por isso permitiu que ele recorresse em liberdade.

Relembre o caso → Em 2001, Renata Archilla, de 37 anos, foi baleada em um semáforo da região do Morumbi, na zona sul da capital. Ela acusava o pai e o avô de contratar um homem vestido de papai noel para matá-la.

Washington Luiz, repórter do Momento Verdadeiro
Com informações do portal G1.

Comentários

Veja também

Preso processa policiais após ter uma ereção de 4 dias.